Rede JP pelo mundo: Conheça Elisabeth Asen Somo, jornalista de Camarões e correspondente da mídia alemã DW

Aline Araújo e Marcelle Chagas

A República de Camarões é um país localizado na África Central que tem como sua capital Yaoundé, lugar em que vive a jornalista Elisabeth Ansen Somo. Para ela a importância do jornalismo nas mudanças que ocorreram no mundo recentemente é fundamental, a cada dia tudo pode acontecer e mudar algo, como é o caso específico da COVID 19. “Foi graças ao jornalismo que o mundo foi informado da existência desta pandemia que iria mudar os hábitos dos seres humanos. Para reverter este vírus assassino, é também graças ao jornalismo que a informação sobre medidas de barreira e outras formas de prevenção tem circulado nos meios de comunicação. Todos os líderes do mundo, embora o amor entre os dois ainda não tenha sido de Romeu e Julieta, mas todos os líderes do mundo usam o jornalismo para fazer ouvir as suas vozes. Em todas as mudanças que ocorreram neste mundo, o jornalismo deixou a sua marca. A sua importância foi ontem, é hoje e será amanhã ”.

Atualmente, em vários países a realidade do jornalismo é que exercer a profissão é um perigo, inclusive no Brasil. Já em Camarões, também citado como um lugar perigoso para se trabalhar segundo a Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021 em que ocupa a posição 135° , a jornalista explica que ainda há muito a melhorar, mas que a informação de que Camarões é um dos países mais perigosos para ser jornalista está equivocada. 

A repórter realiza cobertura local para o veículo de comunicação DW

“Veja, quando um jornalista troca sua túnica de jornalista pela de chantagista, ele tem que esperar uma repercussão. Aqui em Camarões, enfrentamos vários tipos de jornalistas. Existem aqueles que fazem bem o seu trabalho, existem aqueles que se destacam na chantagem e aqueles que, principalmente, divulgam notícias falsas. Portanto, se aqueles que estão nas notícias falsas e aqueles que se destacam na arte da chantagem estão sob pressão do Estado ou de seus amigos ontem, não devemos indexar um país inteiro. Não estou dizendo que está tudo bem. Camarões está longe de figurar entre os países mais perigosos para ser jornalista, mas é a nossa profissão que deve ser revista”.

O mercado de trabalho para jornalistas negros em Camarões é diferente do Brasil porque lá eles são todos negros, então as dificuldades em se manter atuante são outras. Elisabeth explica que em seu país, quase todos os dias, nasce um novo órgão de imprensa, mas as condições de trabalho dos jornalistas são terríveis.

“O jornalista é deixado por conta própria e trabalha sem remuneração, sem previdência. Além disso, sofre muita pressão das empresas de imprensa. Eu diria que são essas condições que levam muitos de nossos colegas a atropelar os cânones do comércio para fechar o final do mês. Os sindicatos de jornalistas precisam mesmo pressionar o Estado para melhorar nossas condições de trabalho ” – ressalta.

É fato que há guerra civil em algumas regiões de Camarões e de acordo com a jornalista Elisabeth esta é uma situação que afeta diretamente o exercício da função de comunicar o que acontece com exatidão pois eles não possuem jornalistas que cobrem guerra. 

A jornalista também é integrante do Caucus Jornalistas da SOAD (State of African Diáspora)

“Isso tem um grande impacto no processamento da informação. Porque, não estando no terreno, todas as informações que recebemos são manipuladas pelo governo ou por terroristas ou outras facções rebeldes. Uma calmaria precária reina atualmente nessas zonas de conflito”.

Elisabeth acredita que como jornalista da diáspora africana é possível melhorar a divulgação de informações sobre o continente para mostrar outra face da África que não é apresentada com frequência. Os jornais oferecem estereótipos e clichês da África bárbara, enquanto, segundo ela, há uma África viável e invejável que pode aparecer como mais de uma em escala global.

“Se falarmos a uma só voz sobre um assunto que diz respeito ao nosso continente, vencemos. No Brasil, pode haver uma imagem ruim de Camarões em termos de profissão de jornalista e tenho certeza que é o caso em muitos outros aspectos.. mas na história do futebol mundial, por exemplo, Camarões foram o orgulho da África! Então, acho que os jornalistas no Brasil, nesse caso, deveriam tentar retransmitir também o que é bom em Camarões, é um país muito bonito”.

No início do seu questionário, você disse que no Brasil temos uma imagem ruim dos Camarões em termos da profissão de jornalista … Tenho certeza que é o caso em muitos outros aspectos … mas na história do futebol mundial, por exemplo, Camarões tem foi o orgulho da África! Então, acho que os jornalistas no Brasil deveriam tentar retransmitir o que é bom também, nem tudo preto. Convido você a fazer um tour pelos Camarões, um país muito bonito.

Elisabeth Asen Somo

Black journalists around the world: Meet Elisabeth ASEN SOMO, Cameroon journalist and German media correspondent DW

The Republic of Cameroon is a country located in Central Africa whose capital is Yaoundé, where journalist Elisabeth Ansen Somo lives, for her the importance of journalism in the changes that have taken place in the world recently is fundamental, every day anything can happen and change something, as is the specific case of COVID 19. “It was thanks to journalism that the world was informed of the existence of this pandemic that would change the habits of human beings. To reverse this killer virus, it is also thanks to journalism that the information about barrier measures and other forms of prevention has circulated in the media. All the world’s leaders, although the love between the two has not yet belonged to Romeo and Juliet, but all the world’s leaders use journalism to make people heard their voices. In all the changes that have taken place in this world, journalism has left its mark. Its importance was yesterday, today and will be tomorrow.”

“Look, when a journalist changes his tunic from a journalist to a blackmailer, he has to expect a repercussion. Here in Cameroon, we face different types of journalists. There are those who do their job well, there are those who stand out in the blackmail and those who mainly spread false news. So if those who are in the false news and those who excel in the art of blackmail are under pressure from the state or their friends yesterday, we shouldn’t index an entire country. that everything is fine. Cameroon is far from being among the most dangerous countries to be a journalist, but it is our profession that should be reviewed.”

It is a fact that there is civil war in some regions of Cameroon and, according to journalist Elisabeth, this is a situation that directly affects the exercise of the function of communicating exactly what is happening, as they do not have journalists who cover the war.

“This has a big impact on information processing. Because, not being on the ground, all the information we receive is manipulated by the government or by terrorists or other rebel factions. A precarious calm currently reigns in these conflict zones.” Elisabeth believes that as a journalist from the African diaspora it is possible to improve the dissemination of information about the continent to show another face of Africa that is not often presented. Newspapers offer stereotypes and clichés of barbaric Africa, while, according to her, there is a viable and enviable Africa that can appear as more than one on a global scale.”

“If we speak with one voice on an issue that concerns our continent, we will win. In Brazil, there may be a bad image of Cameroon in terms of the profession of journalist and I am sure that is the case in many other aspects. . but in the history of world football, for example, Cameroon was the pride of Africa! So, I think that journalists in Brazil, in this case, should also try to rebroadcast what is good in Cameroon, it is a very beautiful country”.

“Look, when a journalist changes his tunic from a journalist to a blackmailer, he has to expect a repercussion. Here in Cameroon, we face different types of journalists. There are those who do their job well, there are those who stand out in the blackmail and those who mainly spread false news. So if those who are in the false news and those who excel in the art of blackmail are under pressure from the state or their friends yesterday, we shouldn’t index an entire country. that everything is fine. Cameroon is far from being among the most dangerous countries to be a journalist, but it is our profession that should be reviewed.”

Elisabeth Asem Somo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *