Noticias

Como garantir a segurança de jornalistas e comunicadores indígenas atualmente?

Por: Hellowa Correa

Os povos indígenas não têm um dia de paz no Brasil. Dificuldade para o enfrentamento da COVID-19, assassinatos de indigenista e jornalista, expulsão de líder da FUNAI de evento internacional… Como seguir cobrindo estas pautas sem pensar na própria segurança? 

Walter Kumaruara em atividade do Coletivo Jovem Tapajônico

A Rede de Jornalistas Pretos conversou com o comunicador e líder indígena Walter Kumaruara. Walter lidera o Coletivo Jovem Tapajônico, organização que oferece capacitação e formação para lideranças do Baixo Tapajós. O jovem também é comunicador do projeto Saúde e Alegria. Do Fórum Social Pan Amazônico (28-31/7/2022), em Belém,ele responde alguns questionamentos sobre a situação do jornalismo na Amazônia. 

 

O clima é de alerta. A partir destes últimos acontecimentos que vitimaram o jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira, mostrar a realidade pode ser fatal. Walter relatou que a FUNAI, como sinalizado pelo indigenista exilado no exterior Ricardo Rão, chega mesmo a renegar os povos originários. Não é possível qualquer colaboração com a instituição no momento. Kumaruara teve um papel fundamental no pico da COVID-19. Andava de barco pelos territórios levando kits e informação em saúde. O fundador do Coletivo Jovem Tapajônico avaliou que houve empecilhos para que se fizesse um trabalho digno para evitar o contágio. Ele contou que muita coisa foi feita e custeada pelas próprias comunidades indígenas e que a situação de desamparo não foi muito diferente do país como um todo. Foi necessário também um trabalho de combate às fake news que chegavam pelo celular. 

Walter Kumaruara acredita que o marco temporal pode não ser interessante, já que nos encontramos em um ano eleitoral. Ele acredita que a estratégia é colocar mais indígenas no parlamento e se mostra esperançoso quanto ao futuro. “É possível ter esperança se reformularem a política.” encerra, o educomunicador do Saúde e Alegria.

Equui

Equipe Saúde e Alegria no Fórum Social Pan Amazônico 2022

A Rede JP também ouviu Kátia Brasil, a co-fundadora e editora executiva da agência de notícias independente Amazônia Real. A jornalista nos relatou que, com a situação da FUNAI não representar os indígenas, há um clima de extrema insegurança em diversos níveis e a falta de reconhecimento destes jornalistas e comunicadores por diversas instituições. Kátia nos contou que é preciso garantir o deslocamento destes profissionais tanto da cidade para as áreas de floresta como o destino contrário e  que os jornalistas e comunicadores carecem de segurança para lidar com garimpeiros, madeireiros e outros exploradores das terras indígenas. Ela ressalta  que, para o bem da circulação das notícias sobre a Amazônia, é imprescindível o combate à vulnerabilidade dos jornalistas. 

Jornalista negra e editora executiva da agência de notícias Amazônia Real

Quanto à implementação do Marco Temporal, a editora da agência de notícias Amazônia Real, afirmou que o assunto se encontra fora da pauta neste momento. O Supremo Tribunal Federal está com a atenção voltada para o processo eleitoral. Um processo que já se apresenta bastante polarizado. Kátia Brasil acredita que o Marco Temporal deverá ser discutido no próximo ano. A jornalista declarou que será positivo que esta decisão seja discutida em um momento menos conturbado. Ela tem esperança que a nova gestão reestruturará a questão de maneira mais democrática.

A Rede de JP perguntou à Kátia Brasil sobre candidaturas femininas e indígenas como a de Sônia Guajajara para a Câmara Federal. “As mulheres precisam ocupar o Congresso Nacional, os governos. Serem chefes do Executivo.” respondeu a jornalista. Ela declarou que votará em uma mulher negra e feminista. A editora admitiu que apesar das mulheres representarem o maior número de eleitoras, isso ainda não se reflete no corpo político brasileiro. Ela finalizou destacando que há muito enfrentamento a ser feito quanto ao feminício, por exemplo. Uma questão de segurança pública no país que já possui bastante literatura indicando também  como um problema de saúde pública.

Back to list

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.